O Projeto

O Projeto Apadrinhar – Amar e Agir para Materializar Sonhos, desenvolvido pela 4ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso da cidade do Rio de Janeiro, responsável por 14 instituições de acolhimento na capital fluminense, atende cerca de 200 crianças e jovens retirados do convívio familiar.

De autoria do juiz titular da 4ª Vara da Infância, Sérgio Luiz Ribeiro de Souza, o Projeto Apadrinhar está em prática desde 2014 e foi vencedor na categoria “juiz” no 12º Prêmio Innovare, que premia boas práticas voltadas para a melhoria da Justiça no país.

O projeto engloba três tipos de apadrinhamento: o provedor, o prestador de serviços e o afetivo. O apadrinhamento provedor oferece o suporte material às instituições de acolhimento, com a doação de objetos, materiais de construção, limpeza, higiene, pagamento de mão de obra, reformas no espaço físico etc. O apadrinhamento prestador de serviços permite, como o próprio nome indica, a prestação de serviços gratuitos às instituições de acolhimento, de acordo com as áreas de formação ou de interesse das madrinhas e dos padrinhos. E o apadrinhamento afetivo possibilita a assistência afetiva e educacional à criança ou ao adolescente, estabelecendo vínculos afetivos e possibilitando o convívio fora das instituições de acolhimento.

O principal objetivo do Projeto Apadrinhar é criar laços de afeto entre a sociedade e as crianças e os adolescentes que vivem em acolhimento institucional ou familiar, com esperanças remotas de reinserção familiar ou de adoção, para que se desenvolvam de forma saudável, com amor, consciência e cidadania.